5 de ago de 2009


Enquanto espelhos se quebram
ao cair no chão, meus braços se
estendem para alcançar a sua mão.

Sei que é tarde pra dizer “te amo”,
A flecha transpassou o coração,
o sangue escorreu, e junto com ele
foi o que se podia chamar de amor.


Autor: Eduardo Potiguar
19/07/2006

2 comentários:

Denise disse...

Sensibilidade poética dá nisso.
Da-nos de presente coisas tão lindas assim.
carinho
Denise

KINHA disse...

Olá!
Gostei muito de seu blog,com posts inteligentes e belas imagens.Ficaria muito feliz se me seguires,e eu te seguirei também.Espero sua visita.

http://amigadamoda.blogspot.com